Carlota Wahnon
"Hmm... Que cama. Sinto-me abraçado pelo seu calor; sinto-me no meu casulo feito de algodão. Adoro esta cabana, quente, com a lareira sempre a crepitar uns troncos de madeira caídos de qualquer maneira.
Que horas são? Não, não vou ver. Que dia tão cinzento... Com a neve branca e as nuvens não consigo distinguir o céu da terra. Se ela estivesse aqui..."

Levantando-se até à bancada da cozinha aquece um chá com leite que leva para a mesa da sala cheia de luz, que com portas de vidro para a varanda, faria qualquer fotógrafo fechar os olhos para guardar uma fotografia na memória.
Pondo os óculos com uma mão, com a outra puxa a franja do cabelo liso para trás. Dá um gole, e senta-se na cadeira com as pernas cruzadas.
Fica a olhar o horizonte, quando algumas nuvens se afastam e deixam passar raios de luz do sol.
Ele levanta-se e puxando as calças de pijama xadrez para cima, encosta-se ao vidro da janela a observar a neve reflectir o sol.
Agarra a chávena com as duas mãos e sente o aroma do chá.
Acaba de beber e vai para a varanda com um aquecedor, um bloco de notas, uma caneta e a cabeça cheia, num turbilhão de pensamentos vazios e sem corpo.
Passado um pouco, depois de engolir a beleza das montanhas cobertas de neve e brilho, o turbilhão transforma-se em algo parecido com uma mistura de fumo com água ondulante que escoa através da mão em forma de palavras para o papel.
Carlota Wahnon

Danças. Todo o teu corpo transpira sensualidade. O teu cabelo negro e longo que quer ser puxado, os teus olhos rasgados que se querem fechar, passando pelo teu peito pequeno e as tuas pernas altas que anseiam por um toque, fazem-te a maior das gazelas, quero-te.
Continuas a dançar e olhas-me nos olhos. Sentiste? Sentiste.
A música continua, tu provocas e sorris agarrando o teu peito delicadamente, enrolas o cabelo no indicador e chamas-me com o olhar. Estou hipnotizado, o meu corpo vai ao encontro do teu como um íman, incapaz de controlar, colo-me a ti.
Agarras-me a mão e levas-me para a casa de banho. Fechas a porta, soltas o cabelo, respiras fundo e agarras-me o pescoço. Beijamo-nos com todo o fogo do momento. Levantas a perna e enrolas à volta da minha anca. Inclinas a cabeça para trás, beijo-te o pescoço, depois o peito, enquanto procuras as minhas calças e desabotoas um botão.
Levanto o teu vestido e no meio das tuas pernas sinto o teu desejo molhado por mim. Ardo de desejo e tomo-te ali mesmo. Começo devagar e sinto-te toda, vou até ao fundo do teu ser.
Alguém bate à porta:
- Está gente?
Tu segredas-me numa voz rouca "não pares agora" e eu respondo um rápido "Sim" tentando esconder o meu deleite.
Suados, antes de chegarmos ao clímax, dizes-me:
- Toma-me... Toma-me como o teu maior pecado de luxúria.
Encostamos os lábios sem nos tocarmos e sentimos o ar quente e húmido da respiração um do outro. Agarro o teu corpo com força.
Com uma mão na boca e outra nas minhas costas, arranhas-me a tentas abafar um grito.
Ofegantes e com as roupas coladas ao corpo perguntamos em uníssono:
- Como te chamas?
Carlota Wahnon
Cabelos espigados pelos ombros e sem brilho envolvem uma cara despida de emoções e sentimentos, parece coberta de um espesso véu de apatia e constante desespero que esconde a beleza que ainda ontem (não foi ontem?) fazia quebrar corações com um gesto, ou dava vida com um olhar; essa, desapareceu como fumo.
Com os olhos irrequietos em constante busca de algo ou alguém, coça-se e morde o lábio lembrado-se de algo muito desejado.
Na discoteca onde sempre costumava sair parece destoar completamente da fauna envolvente. Hmm... Devem ser eles que estão tolos, já ninguém repara que ela lá está, e se notam a sua presença tossem de desconforto, ou afastam-se pedindo uma bebida no outro lado da pista.
- Broncos! Aqui não arranjo nada... Vou ao DownLow club que lá são mais fáceis, por mim fazem tudo.
Muda a música e o ambiente; de músicas sexys que convidam para a brincadeira passa-se para qualquer coisa negativa sem importância, de sorrisos e almas jovens para expressões carregadas de vício e sem medo de nada, nem da morte, desprovidas de uma coisa que se chama "amor" acho eu.
Os olhos da rapariga perscrutam esta nova selva podre, um espaço escuro e pequeno com meia dúzia de seres a arrastar-se, cada um no seu mundo. Dirige-se a um homem sentado sozinho a um canto, com a largura a exceder a altura, uma t-shirt manchada e suada, com os olhos fixos num ponto infinito para além da visão da rapariga.
Sentado-se ao lado do peludo gorduroso, esforça-se por ser algo que antes era naturalmente - sensual.
- Gosto dos teus ténis. - diz num tom provocador (dentro do possível).
Pondo a mão no colo da lontra, recebe em troca um olhar furioso, como quem é acordado de um nirvana para uma repugnante realidade.
- Não queres é? Nem sabes o que perdes oh gordo nojento, fazia-te coisas que nunca te fizeram. Anda lá.
Lambendo o lábio superior tenta seduzir o homem. Este, num movimento puxa-a para si e agarra com um apetite ordinário e voraz todas as partes do seu corpo. Ela deixa-se tocar, apática, vai agarrando o corpo do seboso até encontrar algo que a faz sorrir. Talvez "sorrir" não seja adequado aqui, vou reformular: "algo que a faz produzir um esgar de prazer vindo das mais profundas trevas do seu ser".
Agarrando em algo precioso e fugindo do homem agora aos berros, esconde-se no beco das traseiras do estabelecimento.
Lá fora, atrás de um contentor arregaça uma manga do casaco de malha com buracos e rasga a bainha do vestido demasiado largo, dando uma volta apertada ao braço esquerdo com o pedaço de tecido. Deita-se no chão incapaz de controlar o corpo com espasmos de sensações orgásmicas, e deixa-se ir.
Cai num poço profundo dentro de si sem se preocupar se um dia voltará ou não.
Carlota Wahnon

Epona cavalgava nos planaltos e penhascos escarpados da Gália, verdes e cheios de vida, sempre, depois da estação das chuvas.
Lugh sempre a observara, no nascer de todas as primaveras, quando o branco do inverno dava lugar às cores apaixonadas da estação das flores. Sendo um deus mágico e com um talento sobrenatural para a arte, decide um dia declarar o seu amor à deusa dos cavalos esculpindo uma estátua gigante desta a montar o seu majestoso percheron branco.
Durante sete dias, uma obra de arte divina nasce das suas mãos. Faltava apenas um detalhe, esse detalhe era tudo: faltava o sorriso de Epona. Desamparado, a luz de Lugh apaga-se apercebendo-se que nunca vira a sua amada sorrir.
No dia seguinte vê a deusa a montar numa praia com o chão coberto de pedras e segue-a até casa.

- Epona...
- Quem me chama? - pergunta Epona olhando em todas as direcções, assustada.
- Epona, sou eu, Lugh - este revela-se, saindo da sombra de uma árvore centenária.
- Lugh? Mas... O teu rosto, já não brilha como o sol. Que se passa?
- Perdi a minha luz ao realizar que nunca vi o teu sorriso. Mostra-me o espelho da tua alma nos teus lábios, faz-me brilhar outra vez e ganharás o meu coração e um tributo a ti na terra.

Epona sorri, não por Lugh lho ter pedido, mas por ficar comovida com as suas palavras, e por, talvez, este ter acendido sem querer uma luz na deusa de cabelos longos cor de avelã.

Uma estátua maior que o maior templo que a Gália já alguma vez vira erguera-se do dia para a noite, passando a ser adorada e venerada pelos humanos.

Lugh apesar de apaixonado, pouco sabia de Epona, esta era mulher de Dagdé o deus da fertilidade da vida e da morte.
Dagdé descobre quem fez a estátua e porquê. Sente-se atraiçoado como um Jesus por um Judas. Parte para a vingança quando se apercebe que a sua mulher olha pela janela quando ele lhe fala, suspira quando pensa encontrar-se sozinha; quando penteia os seus cabelos de uma forma diferente, quando os olhos se acendem sempre que ouve "Lugh".
Uma tarde, Dagdé segue Epona até um monte onde esta se encontra com Lugh e furioso, desce à terra destruindo com a sua maça a estátua que guardava o coração de Lugh.

O deus da arte fica sem alma e sem luz por não poder ficar com o amor da sua vida, morre por dentro e deixa o seu corpo vaguear sem destino no universo dos deuses.
Epona deixa de conseguir ter filhos do desgosto e Dagdé manda-a juntamente com o seu cavalo para a terra tornando-a mortal, até esta voltar a amá-lo.

Muitos anos se passaram, Dagdé continuava raivoso, Lugh continuava vazio, e Epona, cansada de uma vida tão solitária, morre olhando o pôr-do-sol lembrando-se de quando uma vez sorriu e amou.
Carlota Wahnon
"Não abras a boca quando mastigas!" - é o que lhe digo sempre ao jantar, e durante todos estes anos quando me apanha distraída, ele faz por arejar os dentes e o que eles mastigam. Ai... Enfim , mas eu amo-o, o que é que eu posso fazer? Burro velho não aprende línguas, mas este ao menos é um burro querido.

Acabámos de almoçar, e hoje está um dia lindo de sol, a seara que rodeia a nossa humilde casa de madeira está serena como o mar do mediterrâneo, ondula suavemente ao sabor da brisa.
Gosto desta parte do dia, depois de nos levantarmos, vou a tricotar no alpendre e vou espreitando pelo canto do olho o homem com quem partilho a minha vida há quarenta anos, a cuidar das flores que todos os anos faz brotar com tanto carinho.
Ao princípio quando lhe deu para a jardinagem e decidiu fazer um mar de flores que que se estenderia até à portinhola, coitadinhas das flores (risos) nenhuma brotava! Nunca diria que ele viria a ser um talentoso pintor impressionista da natureza (adoro ver as flores sem óculos, faz-me lembrar um quadro de Monet). De quando em vez, enquanto acaricia um ramo de Alfazema ou umas Margaridas, cruza os olhos com os meus, e faz-me lembrar que ainda somos namorados.

Apesar de termos diminuído de tamanho e os nossos cabelos terem ficado da cor das nuvens, apesar de andarmos mais devagar e as rugas terem tomado conta da nossa expressão; dormimos abraçados todas as noites, comemos sempre a sobremesa a meias, lemos juntos por baixo do maior sobreiro do nosso pequeno monte coberto de seara, temos crises de ciúmes, damos beijos na boca como nos filmes, e mais ainda que na flor da idade, amamos-nos com toda a sabedoria que a velhice traz.
Estamos agora por baixo do sobreiro a ler. Está um fim de tarde de sonho.

- Hoje podemos ficar aqui a ver as estrelas?
- Estás muito romântica hoje. Queria ir para dentro tratar do coelho que apanhei à bocado.
- Não... Fazes isso depois. Vá lá, não vemos as estrelas aqui há tanto tempo!
- Ai... Tu nunca hás-de mudar pois não? Hás-de ter sempre 19 anos. - com um sorriso ternurento levanta-se e tira o casaco para pôr nos ombros da sua eterna namorada.

***

Passados quinze minutos, ele adormeceu no ombro dela, e roncava baixinho. Ela riu-se e tornou a olhar para o céu. Viu uma estrela cadente a deslizar no profundo azul da noite estrelada. Fechou os olhos e pediu para nunca nenhum dos dois ficar só, pediu para irem os dois juntos quando for hora de não acordar nunca mais.
Passado um pouco foram para dentro jantar enquanto ouviam Benny Goodman no gramofone.

Na semana seguinte, depois de dois copos de leite fresco e pão com compota de tomate feita pelos netos na escola, foram ler para debaixo do sobreiro aproveitando a luz do sol que ainda ardia com calor.
No crepúsculo os dois adormeceram com as cabeças encostadas e sonharam eternamente. Sonharam eternamente por baixo do sobreiro, o maior sobreiro do monte coberto de cabelo dourado que abana ao sabor do vento.